<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

BLOG SYNNEX WESTCON-COMSTOR
O blog dos negócios de TI.

5 desafios da computação de borda em nuvem que as empresas precisam enfrentar!

As empresas que estão migrando para a computação de borda em nuvem ou desejam investir nessa tecnologia, precisam se atentar a esses 5 desafios! 

Na maioria dos casos, possuir mais largura de banda ou poder computacional, não é suficiente para processar dados de dispositivos e gerar insights imediatos. Em vista disso, as empresas estão recorrendo a computação de borda em nuvem. 

A computação de borda ou Edge Computing, é uma das principais tendências da atualidade e promete entregar insights em tempo real, simplificar processos e facilitar ações localizadas.  

Ela foi projetada especialmente para aproximar os aplicativos corporativos das fontes de dados, tais como os dispositivos de IoT, por exemplo. 

O estudo The Edge Outlook da Intel, indica que a computação de borda é um fator crítico que as empresas precisam desfrutar para alcançar o sucesso e compreender os dados corporativos. 

Em vista disso, a pesquisa 2020 State of Multicloud Report da Turbonomic estima que quase 50% das empresas estão investindo ou planejando alavancar a computação de borda em seus negócios nos próximos 18 meses. 

No entanto, a alta complexidade no gerenciamento de serviços e dados altamente distribuídos, será um dos principais desafios para a adoção dessa tática. Saiba mais a seguir: 

O que é Edge Computing? 

A computação de borda é uma tendência que se refere ao processamento, análise e armazenamento de dados mais próximos de onde eles são gerados. 

Por meio dessa proximidade, a Edge Computing consegue distinguir dados, realizar análises completas e obter respostas mais rápidas, praticamente em tempo real.  

Logo, a computação de borda visa simplificar os processos, por meio de soluções avançadas e servindo como uma espécie de extensão descentralizada das redes ou nuvem.  

A sua implementação consiste em gerenciar e processar dados críticos no local e armazená-los na nuvem, prometendo aumentar o poder de computação das empresas. 

Contudo, mesmo contando com uma ampla lista de benefícios, a computação de borda em nuvem também está aliada a problemas e dificuldades que precisam ser enfrentadas. 

Acesse nosso treinamento

Quais são os desafios da computação de borda em nuvem? 

Por mais prático que seja o conceito de Edge Computing, implementar e gerenciar informações em um ambiente de TI distribuído, nem sempre tende a ser uma tarefa simples. 

Até as corporações que costumam operar em vários locais diferentes, enfrentam o desafio de implementar a Edge Computing. Veja quais são os desafios a serem enfrentados elas empresas: 

Desafio 1: Lidar com a complexidade do gerenciamento de dados 

Sem dúvidas, um dos grandes desafios ao implementar a computação de borda em nuvem é a capacidade de lidar com um número expressivo de plataformas de nuvem empresarial. 

A complexidade é considerada a principal barreira para que a computação de borda se torne, de fato, convencional.  

Essa dificuldade no gerenciamento de informações acontece devido ao número de conjuntos de ferramentas e processos que acompanham a computação de borda, causando desordem no gerenciamento.  

Diante disso, as empresas tendem a obter custos mais altos, adquirem maior complexidade nos processos e ainda provoca limitações de velocidade, inovação e agilidade.  

A melhor estratégia para contornar essa dificuldade é melhorar o gerenciamento de soluções multicloud, unificando-as em uma arquitetura de nuvem híbrida.  

Além disso, estabelecer um plano de gerenciamento e infraestrutura, também faz toda a diferença para que a empresa não seja prejudicada pela complexidade desse gerenciamento de dados.  

Desafio 2: Resistir à ataques cibernéticos 

Assim como qualquer outra tecnologia em rápida evolução, a computação de borda também carrega os seus riscos, como, por exemplo, estar mais propicia a ataques cibernéticos.  

Essa vulnerabilidade acontece devido a infraestrutura de dados enormemente distribuída, abrindo portas para que as ameaças virtuais se instalem. 

Por esse motivo, manter o mesmo nível de segurança na computação de borda tende a ser mais difícil, principalmente em uma Era onde há muitas ameaças virtuais atingindo as corporações em geral. 

Segundo o relatório de segurança “Cyber Attack Trends: 2021 Mid-Year Report” da Check Point, as empresas sofreram um aumento de 29% em relação as ameaças cibernéticas, desde o início de 2021. 

Em virtude disso, é importante que as empresas tenham consciência de que, ao adotar a computação de borda para mover os negócios, é preciso também implementar ferramentas e serviços adequados a cibersegurança para proteger os dados sensíveis. 

Desafio 3: Escalabilidade 

Devido ao aumento significativo de dados corporativos, outro problema que pode surgir é a proliferação de dispositivos e as consequentes exigências de escala das operações. 

Por causa disso, a escalabilidade pode se transformar em um problema sério à medida que esses novos pontos finais de IoT proliferam.  

Quando mais dispositivos forem conectados a borda, consequentemente, maior será a escala geral.  

Além disso, a computação de borda não envolve somente servidores na ponta, como também exige que as escalas de todas as disciplinas de TI aumentem: computação, rede, armazenamento, gerenciamento, segurança e mais.  

Desafio 4: Limitações de latência 

Embora a Edge Computing entregue análises e dados com agilidade, há algumas limitações de latência que podem dificultar os processos. 

A latência gerada pela distância da rede à fonte dos dados, por exemplo, acaba provocando uma ineficiência às corporações. 

Esse fator pode ser bastante prejudicial, principalmente quando existe a necessidade de implementar aplicações que exigem respostas cada vez mais rápidas ou imediatas. 

Desafio 5: Falta de conectividade 

A falta de conectividade contínua com a internet, sem dúvidas, é outro fator de forte impacto, quando falamos em computação de borda em nuvem.  

Tudo porque a conectividade de rede é uma das ferramentas que movem o funcionamento da Edge Computing, e, sem ela, não há como armazenar dados, simplificar os processos e fazer quaisquer outras atividades. 

Investir em uma conexão potente e eficiente, pode ser a melhor alternativa para enfrentar esse problema. 

Como administrar a computação de borda em nuvem?  

Sem dúvidas, mesmo carregando desafios e dificuldades, a computação de borda em nuvem tem se mostrado cada vez mais apropriada para as empresas que desejam melhorar seus processos, armazenar dados com segurança e muito mais.  

Para lidar com os tópicos listados acima, é preciso estabelecer um modelo corporativo eficaz, do qual consiga abordar os riscos de segurança, a complexidade e outros fatores. 

Além disso, manter a abertura e flexibilidade para adaptar-se às necessidades em desenvolvimento também pode fazer toda a diferença. 

Outras opções importantes são: operar de forma mais segura e eficiente, implementar aplicativos de forma contínua em todos os locais de borda e estabelecer um melhor gerenciamento de cargas de trabalho.  

Posts relacionados

O que é VoIP QoS e como pode melhorar a qualidade das chamadas corporativas?

Há sempre a possibilidade de melhorar as chamadas corporativas e proporcionar experiências mais agradáveis aos seus clientes. Conheça VoIP QoS e descubra como o método pode ajudar nisso! 

O que é metaverso e como este conceito pode revolucionar os negócios na internet?

O propósito do metaverso é transformar o que era ficção científica em realidade, promovendo ambientes virtuais que podem ser acessados por meio de dispositivos de realidade virtual.  

VoIP vs. telefones fixos: qual sistema de telefonia é ideal para seus clientes?

Entenda as principais diferenças entre a telefonia VoIP e o sistema de telefonia convencional para designar qual é a melhor solução para o negócio do seu cliente! 

Escreva seu comentário