BLOG SYNNEX WESTCON-COMSTOR
O blog dos negócios de TI.

Edge Computing: 5 armadilhas que as empresas precisam evitar!

Há alguns contratempos de Edge Computing que podem passar despercebidos em muitas empresas. Descubra quais são neste artigo.  

Edge Computing é uma abordagem tecnológica que está ganhando cada vez mais força entre as empresas, como uma estratégia de TI corporativa. 

Caso queira ler mais sobre seu conceito, sugerimos estas leituras complementares: 

Apontada como uma das principais tendências pelo Gartner, a computação de borda acompanha uma série de vantagens a fim de beneficiar as empresas. 

De modo geral, ela consegue promover latência reduzida, contar com custos mais baixos, melhores respostas e análises ágeis para IoT (Internet das Coisas). 

Neste artigo, você lerá os seguintes tópicos: 

  • O que é Edge Computing?  
  • Quais são as principais armadilhas de Edge Computing? 
  • Armadilha 1: Não prestar atenção nos problemas de segurança 
  • Armadilha 2: Esquecer de instituir melhores práticas e abordagens 
  • Armadilha 3: Extrair, analisar e gerenciar dados erroneamente 
  • Armadilha 4: Não preparar a infraestrutura de TI 
  • Armadilha 5: Não aprender a lidar com a complexidade da tecnologia 
  • Como evitar que as armadilhas de Edge Computing prejudiquem os negócios? 

Continue acompanhando. 

Diversas corporações estão encontrando na Edge Computing uma maneira de otimizar e agilizar seus processos, usufruindo de vários recursos importantes para o âmbito corporativo. 

Devido à alta demanda por sua implementação, pesquisas realizadas pela Frost & Sullivan apontam que até 2022, aproximadamente 90% das empresas devem adotar a computação de borda. 

Ainda seguindo este cenário, pesquisas realizadas pela Vertiv mostram que a tecnologia terá um aumento significativo de 29% de participação no mercado até 2026. 

No entanto, embora acompanhe ótimas soluções para os negócios, assim como qualquer outra tecnologia em aprimoramento, ainda há desafios de Edge Computing que as empresas precisarão lidar para mitigar os riscos.  

O que é Edge Computing? 

A Edge Computing é um modelo de computação distribuída que aproxima os recursos para mais perto dos dispositivos. 

Em outras palavras, estabelece que os dados sejam processados mais perto de onde foram criados. 

Seu funcionamento decorre por meio de uma rede de micro data centers, responsáveis pelo processamento e armazenamento de dados de forma local. 

Relacionada à IoT, a tecnologia se baseia nessa proximidade com os dados gerando benefícios como: insights mais rápidos, análises mais abrangentes, tempos de resposta melhores e disponibilidade de largura de banda aprimorada, contribuindo para a experiência do cliente.  

Seu principal objetivo é oferecer suporte a novos aplicativos, enquanto processa e analisa os dados com mais eficiência para economizar custos de rede. 

Quero saber

Quais são as principais armadilhas de Edge Computing?  

Como apontamos anteriormente, Edge Computing é uma tendência altamente aprimorada, mas que não escapa de preocupações e desafios.  

Descubra quais são as principais armadilhas que as organizações precisam enfrentar ao implementar a computação de borda para otimizar seus processos:  

     1. Não prestar atenção nos problemas de segurança 

Um dos principais desafios relacionados a Edge Computing é a segurança. A computação de borda tem seu próprio conjunto de ameaças e vulnerabilidades. 

O alto índice de dispositivos IoT desencadeou novas oportunidades para cibercriminosos concluírem ataques virtuais de alta escala.  

Além disso, o armazenamento e processamento de dados críticos também tem atraído a atenção dos hackers.  

As empresas que desejam implementar a Edge Computing de modo seguro, consistente e eficaz, devem mapear o acesso do usuário, exigindo direitos de acesso, pois cada dispositivo pode ser um ponto de entrada para entidades maliciosas.  

     2. Esquecer de instituir melhores práticas e abordagens 

A computação de borda ainda é relativamente nova. Por esse motivo, uma das principais dificuldades é contar com métricas que realmente comprovem o seu valor para as tomadas de decisão da TI. 

As soluções relacionadas a esta tecnologia exigem muita coordenação entre diferentes provedores. 

Uma boa alternativa para lidar com esse desafio é poder contar com parceiros responsáveis. 

As empresas precisam considerar investir suas economias em parceiros de integração de borda, dos quais ficam responsáveis por quantificar o aumento do desempenho e as reduções que os fornecedores promovem. 

     3. Extrair, analisar e gerenciar dados erroneamente 

A quantidade de dados coletados nas corporações aumenta gradativamente. Porém, de nada adianta coletar essas informações, se não forem aproveitadas para proporcionar análises consistentes. 

Ressaltar o gerenciamento destes dados é tão importante quanto a cibersegurança para mover os negócios. É preciso saber como armazenar, analisar, extrair e utilizar esses insights. 

É um processo que ainda traz muitas dúvidas e dificuldades. Em virtude disso, muitas empresas podem não estar exercendo esta ação corretamente. 

Logo, analisar dados torna-se um desafio para muitas empresas. 

Para lidar com esse desafio, a melhor solução é usufruir de ferramentas inteligentes e criadas especialmente para auxiliar neste processo, a fim de obter melhores insights. 

     4. Não preparar a infraestrutura de TI  

Muitas vezes, desenvolver a rede adequada para oferecer suporte à Edge Computing, se transforma em uma tarefa complexa e que exige recursos que talvez não sejam todas as empresas que possuem. 

Por isso, para não cair nesta armadilha de computação de borda, uma das principais soluções é manter os projetos mais simplificados ao tratar de infraestrutura e processos de TI.  

     5. Não aprender a lidar com a complexidade da tecnologia 

Grande parte dos investimentos na Edge Computing foram impulsionados pela necessidade de solucionar problemas específicos. 

Apesar disso, a computação de borda tem o potencial de ser altamente complexa, em virtude do número de dados coletados, dispositivos utilizados e aplicativos envolvidos nesta abordagem. 

Quando as soluções nesta modalidade são implantadas, gerenciadas e protegidas de forma independentes, tendem a levar à expansão ineficiente da infraestrutura na borda.  

Como evitar que as armadilhas de Edge Computing prejudiquem os negócios? 

A Edge Computing é uma tendência tecnológica que vem se destacando entre as empresas, ao mesmo tempo em que tem desencadeado uma série de desafios que precisam ser enfrentados. 

O primeiro passo para garantir o sucesso nos negócios, adotando todos os benefícios que a computação de borda tem a oferecer, é constatar quais são as principais dificuldades. 

Deste modo, será mais fácil encontrar soluções e identificar melhores práticas que sejam pertinentes para mitigar os riscos de segurança, lidar com a complexidade dos processos e muito mais. 

Além disso, se manter constantemente atualizado as mudanças promovidas pela Transformação Digital também tem se mostrado um diferencial para auxiliar as empresas.  

É extremamente necessário instituir estratégias de segurança, priorizar o gerenciamento de insights, aproveitar tecnologias aprimoradas e tomar outras atitudes inteligentes para minimizar os riscos. 

80f01a82-lp-digital-02_10000000lr0gn000000028
ESPAÇOS DE TRABALHO DIGITAIS. CONHEÇA TUDO SOBRE ESTA NOVA ESTRATÉGIA COLABORATIVA.
Saiba mais

Escreva seu comentário

Posts relacionados

Atividades ilícitas e criptomoedas: qual o impacto na cibersegurança?

O número de atividades ilícitas e criptomoedas tem crescido amplamente. No entanto, de que maneira essas ações podem impactar na cibersegurança das empresas? Descubra a seguir! 

Fraudes na nuvem: quais são os principais riscos e como enfrentá-los?

Conheça os tipos de fraudes na nuvem e descubra como mantê-las longe do seu negócio!  

6 melhores práticas para segurança de Edge Computing

Acompanhe 6 práticas que podem ajudar as empresas a promoverem mais segurança de Edge Computing, tornando os processos mais protegidos contra ataques virtuais e invasões.