BLOG TD SYNNEX
O blog dos negócios de TI.

Solução EDR: como ela funciona para proteger os endpoints corporativos?

Com o avanço da tecnologia e dos novos formatos de trabalho a distância, vieram também as evoluções dos ataques cibernéticos em redes corporativas.



Os hackers se aproveitam do fato de que a maior parte dos endpoints são usados e mantidos por usuários comuns, que geralmente não têm a habilidade de reconhecer quando um endpoint está sendo atacado e muito menos de saber como protegê-lo.

Estes ataques estão mais sofisticados e cada vez mais comuns, por isso as empresas precisam estar preparadas para conseguir identificar e responder de maneira rápida e efetiva. 

No mercado hoje, existem soluções de segurança que atendem bem às necessidades básicas do dia a dia. Mas sabemos que as defesas tradicionais que temos  como antivírus e firewall, por exemplo, não são suficientes para conseguir salvar uma empresa de um ataque muito sofisticado. 

As consequências de um ataque a um Endpoint

Há ataques que podem causar uma série de possíveis danos a uma organização, dentre eles, destacamos essencialmente, três principais consequências:

Perda de Dados

Os dados roubados podem nunca mais ser recuperados ou ainda, serem destruídos após a criptografia pelos cibercriminosos, causando perdas inestimáveis para a empresa. 

Prejuízo Financeiro

Seja para pagar o resgate dos dados ou mesmo para contratar profissionais especializados em combater esses ataques, é dado como certo o prejuízo causado por um crime como esse.

Vazamento de Dados

Além da possível perda de dados, os ataques estão agindo na cópia dos arquivos antes da criptografia, fazendo com que sejam “vazados” e expostos no mundo online. 

Isso é tão sério, que nem mesmo o backup neste caso ajudaria, afinal, a exposição dos dados ao público por si, já é devastadora.

Seus clientes podem pensar “Minha empresa não guarda nada de valioso, não tem porque ela ser atacada, então por que deveria me preocupar com isso?”.

Quero descobrir!

Mesmo que eles não tenham nenhuma informação sigilosa ou fórmula secreta guardadas, eles podem conter dados de clientes que, se vazados, têm o poder de influenciar diretamente e negativamente na reputação da empresa. 

Mas afinal, como funciona uma solução EDR?

Ataques avançados podem levar apenas alguns minutos, senão segundos, para comprometer os endpoints. Para protegê-los, as soluções de EDR costumam atuar nos seguintes mecanismos:

  1. Descoberta e prevenção

Uma solução EDR age na descoberta e controle dos dispositivos não autorizados e dispositivos de IoT. Ela mitiga as vulnerabilidades de sistemas e aplicações com o uso de correções virtuais e reduz os ataques com políticas baseadas em risco. 

  1. Prevenção contra malware

A solução EDR usa um mecanismo de antivírus de aprendizado de máquina para interromper a pré-execução de malware. Esse recurso é configurável e incorporado ao agente único e leve, permitindo que os usuários atribuam proteção antimalware a qualquer grupo de endpoints sem a necessidade de instalação adicional.

  1. Detecção e desativação

O EDR detecta e desativa o malware e outros ataques avançados em tempo real para proteger os dados e evitar violações. Assim que comportamentos e fluxos de processos suspeitos são detectados, a solução desativa as ameaças em potencial, bloqueando as comunicações externas e acesso ao sistema de arquivos desses processos. 

Ao mesmo tempo em que interrompe a violação de dados e os danos por ransomware em tempo real, permitindo automaticamente a continuidade dos negócios, mesmo em dispositivos já comprometidos.

  1. Resposta e remediação

Ela organiza as operações de resposta a incidentes usando manuais personalizados com insights sobre o ambiente. Uma vez que uma ameaça é detectada, a solução de EDR alerta os admins ou executa uma resposta pré-configurada para essa ameaça, simplificando a resposta a incidentes e aos processos de remediação. 

Além desses recursos, existem duas características importantes que devem estar presentes em uma solução de EDR:

- Integração com base em arquitetura comum

Pela diversidade de soluções de segurança como antivírus, IPS, gateways e firewalls em suas infraestruturas de segurança, a melhor abordagem é ter uma arquitetura integrada comum, que permita que essas e outras soluções de segurança trabalhem em conjunto para compartilhar informações e responder de forma mais rápida e automatizada. 

- Gerenciamento centralizado

Já o gerenciamento centralizado melhora a visibilidade, reduz a complexidade e impede que existam lacunas e sobreposições de soluções diferentes.

Sem uma segurança reforçada e eficiente, as empresas gastarão cada vez mais tempo e dinheiro para proteger todos os endpoints dos usuários e consequentemente, os dados corporativos. 

Por isso, o EDR é a solução mais completa para o monitoramento e controle eficaz da segurança da informação em seus clientes. Oferecer uma em seu portfólio é essencial! 

80f01a82-lp-digital-02_10000000lr0gn000000028
ESPAÇOS DE TRABALHO DIGITAIS. CONHEÇA TUDO SOBRE ESTA NOVA ESTRATÉGIA COLABORATIVA.

Escreva seu comentário

Posts relacionados

3 tendências emergentes de ameaças cibernéticas para os próximos anos

O número de ameaças cibernéticas está crescendo consideravelmente. Veja quais são as tendências para o futuro: 

O que esperar para o futuro da segurança de rede e como se preparar?

Em meio a tantos desafios, o que as empresas devem esperar para o futuro da segurança de rede? Descubra no artigo de hoje!  

Seis mitos que se tornaram desafios de segurança para as empresas

A transformação digital vem se acelerando. A computação em nuvem e as exigências do trabalho remoto, que a pandemia evidenciou e tornou mais críticas e urgentes, levam a um cenário em que a segurança desponta como a principal questão para a TI nas empresas.